terça-feira, 11 de novembro de 2008

Boneca de Pano

As pessoas veêm-me muito diferente de mim.
E disso eu tenho a mais pura certeza,porque eu acho que ninguém percebeu o que eu realmente talvez seja.

Talvez eu seja uma boneca de pano,cujo coração foi roubado.Deixou-se um rombo gigantesco em seu peito.Enquanto o mesmo não havia retornado.
Mas mesmo assim,de repente,veio uma dor forte e instalou-se em mim.
E ela ficou,em cada metro de meu corpo rendado,com meus panos e babados.
Os meus vestidos trocados,começaram a ser mais escuros,independente do cair da noite ou do levantar do dia. Eles só me eram propícios se mais próximos ao negro
que me abrangia.
Chegou uma hora que não os quis mais trocar,não fazia diferença.
Todo dia eu acordava e botava minha leve mão sobre meu peito,o apertava, e não sentia nada.
Até que em uma noite,pouco escura e menos sombria,eu vi um clarão no canto de minha cama. Cheguei minhas mãos a ele,e encontrei ali meu coração.
Abri meu armário,peguei minha caixa de costura e retirei a atadura de papel que cobria meu peito de pano.
Coloquei meu coração de volta e o costurei cuidadosamente.

Talvez eu realmente seja esta boneca de pano com o coração resgatamente perdido.Porque sim ele voltou a mim,sim,meus vestidos e panos o cobrem,eu o abrigo. Mas de qualquer outra maneira,não o sinto como isso.Ele voltou intacto e este fora o
problema.O coração da triste boneca de pano não fora amado como amara,não fora desejado como desejara e não teve o que quis.Seu coração não passava de nada mais além de um pedaço fofo de pano,em formato reconhecível.Ele não fora modificado e pior,não fora roubado.A bonequinha queria que alguém a amasse como ela ama,e para isso teria de ter consigo uma parte de seu coração,mas vendo ele voltar intacto,ela percebeu que sua missão fora incompleta,sem sucesso.

Talvez eu realmente seja esta inocente boneca de pano,que se percebe diferente de todas as outras bonecas,agora.
Ela não sente os desejos das outras e não tem as mesmas vontades.Porque afinal,elas são apenas bonecas com corações marcados e eu,sou uma diferente boneca de pano,me destacando entre as caixas,com um coração ferido e sem marcas.
A boneca de pano aperta seus braçinhos moles tentando mostra que é forte,mas ela não consegue acreditar nesse força.
A bonequinha de pano procura em uma busca inssaciável algo que ela não tem certeza de saber o que é.

E talvez eu realmente seja essa boneca de pano,cujo coração roubado não fora amado,
cujas pessoas em volta não se misturam,cujo caminho é um ponto de interrogação e principalmente,cuja procura será guiada,fortemende a frente,até que ela encontre
aquele pedaçinho minimo de seu coração,que ela ainda não percebeu sumir,mas que a fora roubado discretamente.E quando ela perceber que descobriu o que procura,e quando finalmente achar o pedaço perdido de seu coração,seus panos não serão mais panos e os babados dos vestidos de renda,se tranformarão em outros,e agora
finalmente será inclusa e entenderá que é possível ser feliz.

E quem sabe as pessoas consigam ver-me,agora,como eu realmente sou.
Como uma boneca de pano.
E talvez elas entendam e saibam que eu realmente sou aquela boneca de pano,com o coração complicado,os vestidos rendados
com meus panos e babados,esperando sempre,por um alguém.






Meu mais novo chamego,vale a pena ler.

19 comentários:

Fuyu disse...

Texto profundo Gê, adorei :D
Tens talento menina! ;D

pilar disse...

Impressionante a facilidade que voce tem de escrevere se tem uma coisa que eu quero, é que voce nunca perca esse dom.
Te amo muito, está LINDO!
beijinhos de uma loirinha ai da vida..

disse...

AMEEEEEEEEI!!

Giulia disse...

Demaiiiis!
te mo minha boneca, teras uma surpresaa

Caroline Cañellas disse...

Oiii Gê!!
tudo bem ??
Bem meu nome é Caroline e vi seu nome do site do Taylor
Gostaria que você disse como vou enviar um e-mail para o Taylor se sempre aparece uns erros, que não consegui entender direito!!
acho que o texto tem uma forma a ser enviado ( + formal)
vc pode me explicar.
Ps: o texto ta em inglês, só não consigo enviar.

desde já obrigada!!!

Melissa disse...

Acho que todas nós já fomos ou seremos bonecas de pano. Não podemos ser amados como amamos, e nem podemos exigir isto da outra pessoa. Mas eu não me importo, cada sofrimento que passo é uma experiência que acumula. E isto vale a pena!

Ana Carina disse...

Depois que li seu texto fiquei pensando um pouco sobre esse assunto. Será que só porque nosso coração está intacto, que não vivemos aquele sentimento? Espero que não, porque não estou disposta a sofrer para viver um grande amor.

Kamila disse...

Oii. :]
Então, eu li esse texto e amei. Acabei descobrindo seu blog pela Atrevida, e quando eu li o texto, fiquei surpreendida com ele. Nossa, é muito profundo e você escreve suuper bem! Eu andei lendo seus outros textos, mas esse da boneca de pano foi o que eu mais me identifiquei. Adoooreei!! Continue sempre assim, você vai loonge desse jeito. :D

# Carool .. disse...

Linda, vi este post na atrevida e amei. me identifiquei muiitissimo e até coloquei no meu blog [te dando créditos, calro] parabéns viuu ;D

LETICIA disse...

achei incrivelmente linda as coisas que vc escreve....adoreei tudo mesmo

LETICIA disse...

tudo eh perfeito

jany disse...

OLÁ,TD BEM?
MEU NOME É JANE
FIQUEI SABENDO DO SEU BLOGSPOT ATRAVÉS DA REVISTA ATREVIDA,LI O SEU POST.ELE É INTERESSANTE,VIU?ME IDENTIFIQUEI COM O SEU JEITO DE ESCREVER.VC ENVOLVE SENTIMENSO,EMOÇÕES,REALIDADE....É ALGO SURPREENDENTE...PARABÉNS,SE PUDER PASSA PELO MEU PERFIL!!!BJOS

Bella Swan Aulette disse...

Incrivelmente sensível, emocionante, tocante.
E me identifiquei com tdo q vc escreveu, é ezatamente uq estou passando... sou outra boneca d pano cujo coração fora desprezado, n fora amado e agora guardo um rombo no peito ='(

Dik Peach disse...

Sinceramente amei, você é boa nisso gostei muito bom, bem eu sou mais um que leu esse poste na revista da atrevida, a edição de Julho de 2009, menina sinceramente amei, amei e amei.

Thaís Santos disse...

Esse texto aborda um assunto muito interessante e que todas nós já passamos ou passaremos por isso um dia. Quem nunca foi despresada? Quem nunca teve um amor que não foi correspondido? Me identifiquei bastante com o seu texto! Assim como você também já fui boneca de pano um dia e pra falar a verdade ainda estou costurando os meus pedacinhos! Parabéns! Abraços!!!

rick disse...

eu fiz uma boneca de pano para o seu texto.....
é só ver ela aqui...
http://monteirorick.blogspot.com/

Liia Santos disse...

Amo o seu geito de escrever.. Li pela primeira vez esse texto na ATREVIDA... QUIS SABER + SOBRE VC.. E FIQUEI MUITO FELIZ QUANDO ENCONTREI SEU PERFIL....
Parabéns........

Anônimo disse...

Oiee. Não sei se você irá ler isso, pois o último comentário tem anos. Enfim, a primeira vez que li esse texto foi em uma revista, eu tinha 13 anos. Hoje tenho quase 22 e esse continua sendo um dos meus textos favoritos. Obrigada por me conceder isso. Bjos da Nat!

Ge disse...

Nat!!!! Aqui é a autora do blog. Não to conseguindo logar de novo pra te responder pelo usuário "Algo de mim", então vou te responder por aqui mesmo, espero que você veja!!!
Não consigo nem expressar o quão gostoso foi ler seu comentário.
Hoje em dia, eu não tenho mais o mesmo apego por esse texto quanto eu tinha quando escrevi, mas tenho um apreço enorme por ele pelo que me serviu na época e mais ainda por perceber o quanto serviu para outras pessoas.
Muito obrigada pelas suas palavras, sua linda! Preenche meu coraçãozinho de pano e espero que também preencha o seu!
Beijos mil,
Geovana